Indústria de concreto se prepara para a transição de energia

Indústria de concreto se prepara para a transição de energia

Revista M&T Expo - junho 2022  | Fonte: CECE 

Promovido pela ERMCO, evento na Europa avalia o caminho para a redução das emissões de carbono no setor de máquinas de construção

Reunida no dia 3 de junho em Viena, na Áustria, a organização europeia de concreto pronto ERMCO promoveu um debate sobre a transição energética de equipamentos, com foco especial em caminhões-betoneiras.

Com mais de 4.500 unidades vendidas na Europa em 2021, o segmento de caminhões-betoneiras é um componente-chave do escopo de produtos para concreto.

Reafirmando a parceria entre as organizações, o CECE (Committee for European Construction Equipment) participou da preparação do encontro, que também contou com a presença de OEMs como Liebherr, IMER e CIFA.

O debate foi introduzido por uma apresentação do CECE sobre o roteiro para a redução das emissões de carbono no setor de máquinas de construção.

Uma visão geral do setor de caminhões, feita pela ACEA, destacou o compromisso dos fabricantes de caminhões com a transição para além dos motores de combustão interna.

A média de idade da frota de caminhões em funcionamento na Europa é superior a 13 anos e estima-se que seja ainda maior no segmento de caminhões de concreto, com mais de 15.000 misturadores em caminhões (segundo projeções da ERMCO) necessitando de renovação rápida.

“É claro que se trata de uma oportunidade de investimento, mas também algo que precisa de uma perspectiva de longo prazo para que os produtores de concreto tomem decisões”, comentou o CECE.

Membros do Comitê Europeu, as três OEMs presentes no evento apresentaram suas propostas sobre a transição energética para o setor de equipamentos de concreto.

Pelo exposto, ficou claro que nessa transição há um papel para as misturadoras em caminhões híbridos – que levam a mais de 30% de economia de combustível –, mas a principal tendência tecnológica é, de fato, a solução totalmente elétrica.

Existem alternativas, que as OEMs já estão colocando no mercado, incluindo uma solução na qual o misturador funciona com baterias instaladas pelo fabricante do caminhão ou uma bateria de energia independente, instalada pelo fabricante do tambor (ou bomba).

“Todas estas soluções são projetadas para se adequar às aplicações específicas da indústria de concreto pronto e têm que se adaptar a seus ciclos de trabalho específicos, incluindo intervalos curtos de acionamento, possibilidade de ciclos frequentes de reciclagem na usina e trabalho estacionário da própria betoneira/bomba”, acentuou o Comitê.

Os participantes reagiram à apresentação demonstrando grande interesse, mas também algumas preocupações com relação à transição e às decisões a ela atreladas.

“De fato, a atual falta de infraestrutura de cobrança, o aumento de preços e a falta de estabilidade política estão dificultando a tomada de algumas decisões de investimento”, avaliou o CECE.